23 equipes de Saúde são treinadas para classificação de risco em gestantes e crianças

Atividade faz parte da Planificação e promove debates entre profissionais para a melhoria do atendimento

EVENTO reuniu dezenas de médicos e enfermeiros em capacitação de dois dias no fim de novembroEVENTO reuniu dezenas de médicos e enfermeiros em capacitação de dois dias no fim de novembro

O auditório da Prefeitura recebeu no fim de novembro capacitação de 23 equipes de saúde de Vilhena e de cidades próximas para treinamento da Planificação da Saúde com foco na classificação de risco de gestantes e crianças. A atividade foi direcionada a médicos e enfermeiros, que debateram por dois dias as melhores práticas para atender melhor os pacientes desse público.

“Vilhena é o município pólo do Cone Sul. Por isso, as capacitações acontecem aqui e as cidades enviam suas equipes para treinamento. Todos que participam aqui compartilham as informações em suas unidades e assim conseguimos multiplicar o conhecimento”, diz Therly Lopes Zoche, enfermeira e instrutora da capacitação.

O treinamento feito com 23 equipes envolve exposição de dados, estudos de casos, rodas de discussões e mediação de atividades baseadas em casos reais registrados no Estado. O principal objetivo é qualificar a Atenção Básica para acompanhar, avaliar e reconhecer situações de risco para gestantes,  do pré-natal ao pós-parto, além de crianças recém-nascidas.

“A meta é zerar o número de falecimento das mães durante o parto e manter a quantidade de óbito de crianças dentro dos parâmetros mundialmente aceitos pela Organização Mundial da Saúde”, explica Ana Carla Andreola, coordenadora da Atenção Básica.

A capacitação é parte do processo de Planificação da Saúde, projeto que já está sendo executado no município desde o ano passado em parceria entre a Regional de Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde. Os treinamentos constantes do programa dentro dos postinhos de saúde de Vilhena a fim de promover humanização nas unidades estão garantindo melhorias no atendimento, reconhecimento e classificação de pacientes e ampliação da comunidade amparada por cada postinho.

Os resultados mostram que apenas de janeiro a setembro de 2019 o número de atendimentos nos postinhos aumentou 65% em relação ao mesmo período de 2017.

 

Semcom