Central de Polícia veta trabalho de jornalistas.

Desde a tarde do dia 07/01, registrar fatos corriqueiros para o jornalismo policial na Central de Polícia tornou-se uma tarefa praticamente impossível. Motivo: a nova lei do Abuso de Autoridade, que proíbe a divulgação de foto e imagens de presos não sentenciados pela Justiça.

A decisão é Corregedoria da Polícia Civil de Rondônia, mas a diretriz fala apenas na proibição de realizar imagens dos presos que chegam à Central de Polícia, mas não fala em impedir o trabalho da imprensa na transcrição dos boletins de ocorrências elaborados por policiais em serviço.

Ao impedir o acesso aos boletins de ocorrência, a própria Polícia Civil é quem comete crime de ´abuso de autoridade´ que ela quer combater. Pior, chama para si uma responsabilidade que não vai conseguir dar conta: divulgar as ocorrências via rede social em sua página oficial.

Quem confiou na promessa da Polícia Civil e foi até a rede social para ver as ocorrências se deu mal. As últimas publicações foram do dia 6 de janeiro, ou seja, atrasadas e não servem para os sites que trabalham com notícia diária (on line), uma vez que restaram poucos jornais impressos que trabalham com material relativamente ´vencido´.

Diariamente, o repórter policial já é submetido a um desrespeito na Central de Polícia, pois não possui qualquer local onde possa realizar seu trabalho (não há sala, um computador, e todas as ocorrências são anotadas, sem direito a uma cópia do boletim policial).

Ao proibir o acesso dos repórteres policiais ao teor dos boletins, a Polícia Civil comete crime de aceso ao Direito de Informação.

Fonte: O OBSERVADOR