Chega hoje ao Mato Grosso do Sul Vacina contra Covid-19 e será distribuída aos municípios.

Veja Logística  para a entrega nos estados do Norte do Brasil.
Com a chegada das doses, vacinação já deve começar na tarde desta segunda-feira no Estado.

As vacinas contra a Covid-19 distribuídas pelo Ministério da Saúde devem chegar hoje em Mato Grosso do Sul. Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a distribuição para os estados começou a partir das 7h (horário de Brasília) e as doses chegam ao Estado no início da tarde.

Nesta primeira leva devem ser destinadas 158 mil doses ao Estado.

A chegada do imunizante, que será o fabricado pela farmacêutica Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, será pelo Aeroporto Internacional de Campo Grande. Ao chegar, a vacina Coronavac será levada até a Rede Frio de Mato Grosso do Sul.

Últimas notícias

De acordo com o Ministério da Saúde, oficialmente, a campanha terá início às 10h (horário de Brasília) de quarta-feira (20) em todos os estados brasileiros.

No entanto, os estados estão autorizados a começarem a aplicação já nesta segunda-feira, quando as doses chegarem. Ou seja, em Mato Grosso do Sul a imunização contra a doença deverá começar por volta das 16h.

Para que a campanha ocorra nos 79 municípios do Estado simultaneamente, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) terá quase 48 horas para que o imunizante chegue em todas as cidades.

Pensando nisso, um plano envolvendo três forças policiais foi montado, para garantir a agilidade e a segurança do transporte.

No primeiro grupo a ser vacinado, conforme o Plano Nacional de Imunização (PNI), estão trabalhadores da saúde, população idosa a partir dos 75 anos de idade, pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas (asilos e instituições psiquiátricas), população indígena e povos e comunidades tradicionais ribeirinhas.

Ao todo, essa parcela da população representa 211.633 pessoas, mas o governo do Estado não receberá essa totalidade nesta primeira leva. Segundo a SES, devem ser entregues hoje 97 mil doses, o que não dá para contemplar nem a metade dos indivíduos nesse primeiro grupo.

Porém, segundo o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, o Estado fará a divisão equitativa desses imunizantes entre todos os municípios.

“Os grupos prioritários estabelecidos inicialmente no Plano Nacional de Vacinação da Covid-19 estão sujeitos a alterações, conforme quantitativo de doses, produção e laboratório”, diz trecho do plano de vacinação elaborado pelo Estado.

VINDA

O imunizante do Butantan chegará amanhã na Capital em um voo do governo federal. Para acompanhar a separação e a destinação a Mato Grosso do Sul, Resende embarcou ontem para São Paulo, onde checará de perto os critérios do Ministério da Saúde para a separação do imunizante.

A vacina sairá do Centro de Distribuição Logístico do Ministério da Saúde, que fica atrás do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), para o Estado. Ainda não há horário definido para a chegada do imunizante em Campo Grande.

“Vamos buscar o quantitativo que deve ser entregue para Mato Grosso do Sul. Estamos em um momento de muita emoção. Tão logo recebamos essas vacinas, vamos seguir para o Estado”, afirmou o emocionado secretário de Saúde, momentos antes de seu embarque e logo após a vacinação da primeira pessoa no Brasil, que ocorreu em São Paulo.

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), comemorou a aprovação do uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) das vacinas Coronavac e Oxford/AstraZeneca.

“É uma importante conquista para a ciência e para o povo brasileiro. Entendo que não há nenhuma outra tarefa mais urgente do que esta: imunizar o mais rápido possível toda a população, para a retomada da economia e, principalmente, para salvar vidas. Por isso, para dar mais agilidade no processo, vamos encaminhar o avião do governo do Estado para buscar as doses disponibilizadas pelo Ministério da Saúde, em São Paulo. Já temos a logística construída para que a vacinação em nosso Estado se inicie imediatamente após o recebimento das doses da vacina e para a distribuição aos 79 municípios, pois temos pressa em parar de perder vidas, reduzir os riscos de comprometimento grave do sistema de saúde e recuperar os empregos”, afirmou Azambuja.

LOGÍSTICA

A SES se reuniu na quinta-feira (14) com a empresa LH Transportes, responsável pelo transporte de imunobiológicos do Ministério da Saúde, para tratar sobre a logística da chegada da vacina contra a Covid-19 em Mato Grosso do Sul.

Em nota, a Secretaria informou que a reunião serviu para alinhar os detalhes do transbordo dos lotes da vacina quando chegarem na Capital. Do aeroporto, a transportadora fará o transbordo até a Rede Frio de Mato Grosso do Sul.

De lá, as equipes da SES e da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) iniciarão a preparação para a distribuição aos 79 municípios do Estado.

Atualmente o Estado tem 597 salas de vacina distribuídas nos 79 municípios e que têm condições de acondicionar imunobiológicos a uma temperatura de 2°C a 8°C.

Conforme o governo, além das salas de vacinação, foram instalados nove Núcleos Regionais de Saúde (NRS), que recebem, armazenam e distribuem as vacinas para as cidades.

A distribuição das doses pelos municípios será feita por 26 viaturas, que tem a intenção de atender em no máximo 48 horas todas as cidades do Estado. Para isso, foram incrementados 22 carros das forças de segurança, sendo o Corpo de Bombeiros e as polícias Militar e Civil.

O trajeto também será feito por agentes armados, para garantir a segurança dos imunizantes.

PLANO DE VACINAÇÃO

O governo do Estado já tem um plano de vacinação fechado, podendo apenas sofrer adequações as datas das etapas de vacinação, conforme a fase e o grupo atingido em cada uma delas.

Um dos pontos do projeto é referente à identificação de cada pessoa imunizada.

De acordo com o plano, uma ferramenta em desenvolvimento pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) possibilitará a utilização de um QR Code para facilitar a identificação do cidadão durante o processo de vacinação.

“Este poderá ser gerado pelo próprio cidadão no aplicativo Conecte-SUS. O cidadão que faz parte dos grupos prioritários elegíveis para a vacinação que porventura chegar ao serviço de saúde sem o seu QR Code em mãos não deixará de ser vacinado. Para isso, o profissional de saúde terá uma alternativa de busca no SI-PNI, pelo Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cartão Nacional de Saúde (CNS), a fim de localizar o cidadão na base de dados nacional de imunização e tão logo avançar para o ato de vacinar e executar o registro da dose aplicada. O planejamento do uso do sistema de informação para o registro das doses aplicadas prevê diferentes cenários que devem ser discutidos previamente no nível estadual e local, com vistas a dirimir problemas operacionais ligados à disponibilização de equipamentos e conectividade ainda na fase pré-campanha”, diz trecho do documento.

O plano também ressalta a ausência de alguns grupos considerados essenciais no Plano Nacional de Imunização. Isso porque, além dos constantes na primeira fase, serão contempladas pessoas entre 60 anos e 74 anos na segunda fase e pessoas com comorbidades (que apresentam maior chance para agravamento da doença) na última etapa.

“Grupos prioritários ainda não elencados nas fases da campanha estabelecida pelo Ministério da Saúde: pessoas de 80 anos ou mais; trabalhadores em educação; forças de segurança e salvamento; funcionários do sistema de privação de liberdade; pessoas com deficiências permanentes severas; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo, rodoviário e metroviário de passageiros; trabalhadores de transporte aéreas; trabalhadores de portuários; e população privada de liberdade”, ressalta o plano estadual de vacinação contra o novo coronavírus.

Fonte: correiodoestado.